domingo, 18 de outubro de 2020

ROCK - Suas Histórias & Suas Magias - Capítulo 9 Parte 7

A História do Rock na Década de 50


e) Little Richard 


Richard Wayne Penniman, mais conhecido por Little Richard (Macon, 5 de dezembro de 1932 - Tullahoma, 9 de maio de 2020), foi um cantor, compositor e pianista estadunidense. Foi eleito pela Rolling Stone como o 8º maior artista da música de todos os tempos. 
Uma figura influente na música e cultura populares por sete décadas, ele foi apelidado de "The Innovator", "The Originator" e "The Architect of Rock and Roll". O trabalho mais célebre de Penniman data de meados da década de 1950, quando seu carismático espetáculo e música dinâmica, caracterizada por tocar piano frenético, bater violão e vocais estridentes, lançaram as bases para o rock and roll. Suas inovadoras vocalizações emotivas e música ritmada também desempenharam um papel fundamental na formação de outros gêneros musicais populares, incluindo soul e funk. Ele influenciou inúmeros cantores e músicos em todos os gêneros musicais, do rock ao hip hop; sua música ajudou a moldar o rhythm and blues nas próximas gerações. 
Tutti Frutti" (1955), uma das músicas de assinatura de Penniman, tornou-se um sucesso instantâneo, passando para as paradas pop nos Estados Unidos e no Reino Unido. Seu próximo single de sucesso, "Long Tall Sally" (1956), alcançou o primeiro lugar na lista de best-sellers da Billboard Rhythm and Blues, seguido por uma sucessão rápida de mais 15 singles de sucesso em menos de três anos. Suas performances durante esse período resultaram em integração entre americanos brancos e afro-americanos em sua audiência. Em 1962, durante um período de cinco anos em que Penniman abandonou o rock and roll pelo cristianismo nascido de novo, o promotor de shows Don Arden o convenceu a fazer uma turnê pela Europa. Durante esse período, Arden abriu os Beatles para Penniman em algumas datas da turnê, capitalizando sua popularidade. Penniman os aconselhou sobre como tocar suas canções e ensinou a Paul McCartney suas vocalizações distintas. Outro de seus sucessos foi "Keep a Knockin'" (cuja introdução de bateria influenciou o Led Zeppelin na canção "Rock and Roll"). 


Little Richard - Keep A-Knockin' 



Penniman é citado como um dos primeiros artistas negros crossover, atingindo o público de todas as raças. Suas músicas e shows quebraram a linha de cores, juntando pretos e brancos, apesar das tentativas de sustentar a segregação. Seus contemporâneos, incluindo Elvis Presley, Buddy Holly, Bill Haley, Jerry Lee Lewis, The Everly Brothers, Cliff Richard, Gene Vincent e Eddie Cochran, todos gravaram covers de seus trabalhos. Tomado por sua música e estilo, e pessoalmente fanzendo cover quatro de suas canções de Penniman em seus dois álbuns inovadores em 1956, Presley disse a Penniman em 1969 que sua música era uma inspiração para ele e que ele era "o melhor". 
Penniman foi homenageado por muitas instituições. Ele foi introduzido no Hall da Fama do Rock and Roll como parte de seu primeiro grupo de indicados em 1986. Ele também foi introduzido no Hall of Fame dos compositores. Ele recebeu um Lifetime Achievement Award da Recording Academy e um Lifetime Achievement Award da Rhythm and Blues Foundation. Em 2015, Penniman recebeu um Rhapsody & Rhythm Award do Museu Nacional de Música Afro-Americana por seu papel fundamental na formação de gêneros de música popular e por ajudar a acabar com a divisão racial nas paradas musicais e em concertos em meados de 1950, mudando significativamente a cultura americana. "Tutti Frutti" foi incluída no Registro Nacional de Gravação da Biblioteca do Congresso em 2010, que afirmou que sua "vocalização única sobre o ritmo irresistível anunciava uma nova era na música". 


Little Richard teria injetado funk no rock and roll durante este período, através de bateristas de sua banda The Upsetters, em meados da década de 1950, influenciando bastante desenvolvimento desse gênero musical quando acompanhavam seu amigo James Brown. 
Richard tornou-se um astro, mas era atormentado por questões religiosas ligadas à sua bissexualidade, pois cresceu numa cultura cristã e conservadora. Por fim, em 1958, largou a carreira após uma excursão à Austrália para dedicar-se à religião. Tornou-se pastor e gravou canções gospel. Em 1962, entretanto, voltou aos palcos em uma turnê com shows de abertura dos Beatles e do Rolling Stones. 

Little Richard e os Beatles em 1962 

O interesse da cultura pop britânica pelos pioneiros do rock americano fez com que realizasse diversos shows em clubes ingleses, ao longo dos anos 60, sempre interpretando seus grandes sucessos. Também nos Estados Unidos, buscou revitalizar sua carreira gravando canções de padrão soul, mas sempre foi mais reconhecido pelo seu repertório de seus anos iniciais. 

Little Richard e os Rolling Stones 

Nos anos 70, embora sempre respeitado por seu pioneirismo, dedicou-se mais a eventos nostálgicos celebrando as "origens" do rock 'n' roll do que a uma carreira artística efetiva, gravando poucas canções inéditas. 

e.1. Biografia 

Richard Wayne Penniman nasceu em Macon, Geórgia, terceiro de doze filhos de Charles "Bud" Penniman, fabricante clandestino de bebidas alcoólicas, e Leva Mae. Cresceu em uma família religiosa na qual cantar fazia parte integral de suas vidas, eles se apresentavam em igrejas locais como "The Penniman Singers", e chegaram a entrar em competições com outras famílias cantoras. Sua família o chamava de "War Hawk" (br: Falcão de Guerra) por causa de sua maneira de cantar alto e gritado. Seu avô, Walter Penniman, era um pastor, e os pais de sua família eram membros da fundação templária "African Methodist Episcopal" (AME) na igreja de Macon. Sua avó materna era membro do "Macon's Holiness Temple Baptist Church". Ele frequentava a "New Hope Baptist Church" em Macon com sua mãe. As preferidas de Richard eram as igrejas pentecostais por causa da música e a diversão que tinha fazendo a dança sagrada e fazendo glossolalia com os membros da congregação. Quando tinha dez anos se tornou um curador pela fé, cantando canções gospel e tocando nas pessoas, que testemunhavam que sentiam melhor após a prática. Inspirado pelo Irmão Joe May, um cantor evangelista conhecido como "The Thunderbolt of the West" (br: "Raio trovejante do Oeste"), Richar queria ser um pastor. 
O fraseado dramático e mudanças rápidas de voz de Richard eram inspiradas nos artistas negros de gospel das décadas de 1930 e de 1940. Richard disse que Sister Rosetta Tharpe era a sua cantora preferida na infância. Ela convidou-o para cantar uma canção no palco do auditório da cidade de Macon em 1945, depois de o ouvir cantando antes do show. A plateia aplaudiu com entusiasmo e ela pagou-lhe uma quantidade de dinheiro que ele nunca havia visto na vida. 


Little Richard - Didn't it Rain 



Também foi influenciado por Mahalia Jackson, Brother Joe May e Marion Williams de quem ele pegou a marca registrada "whoooo" em seus vocais. Seu visual e som foram inspirados no estilo gospel e jump blues do final dos anos 40 do cantor Billy Wright conhecido como "Príncipe do Blues". Billy apresentou Richard ao DJ Zenas Sears, que conseguiu para o novato seu primeiro contrato de gravação em 1951. 
Uma das principais influências de Richard ao tocar piano foi Esquerita (Eskew Reeder, Jr.), que lhe mostrou como tocar notas altas sem comprometer o baixo. Richard conheceu Esquerita quando viajou por Macon com uma pastora chamada Irmã Rosa. 


Esquerita - Believe Me When I Say Rock´n´Roll Is Here To Stay 


Richard vivia em uma vizinhança negra, e tinha algum contato com brancos, mas devido à segregação racial ele não podia cruzar a linha para onde os brancos viviam. Enquanto estava no colegial, Richard tocou saxofone na banda da escola. Começou a perder o interesse na escola e tocar em várias bandas itinerantes durante sua adolescência. Aos 14 anos se juntou ao show do intérprete Sugarfoot Sam do Alabama, onde aparecia vestido de mulher e era chamado de "Princesa Lavonne - A excentricidade do ano". 

Little Richard e sua banda 

Em outubro de 1951, Richard começou suas gravações de jump blues pela RCA Camden. Em 1952 enquanto Richard estava em uma de suas gravações, seu pai levou um tiro e morreu, o assassino foi preso, mas pouco tempo depois as acusações acabaram sendo retiradas. Com as vendas pobres de suas primeiras gravações e seu pai morto, Richard foi forçado a trabalhar como lavador de pratos em Macon. 
Suas próximas gravações com a Peacock Records em 1953 não estavam satisfazendo Richard com sua carreira solo, ele então formou uma nova banda de R&B chamada "The Upsetters". A banda começou com o baterista de Nova Orleans Charles "Chuck" Connors e dois saxofonistas, incluindo Wilbert "Lee Diamond" Smith. Em 1955 se juntaram à banda os saxofonistas Clifford "Gene" Burks e Grady Gaines, o guitarrista Nathaniel "Buster" Douglas e o baixista Olsie "Baysee" Robinson. 

Little Richard e seu piano 

Como sugestão de Lloyd Price, Richard gravou uma demo para o selo gospel/R&B Specialty Records em 9 de fevereiro de 1955. O dono da Specialty, Art Rupe, o emprestou dinheiro para comprar seu contrato da Peacock Records e colocar sua carreira nas mãos de Robert "Bumps" Blackwell da Specialty A&R. 
Rupe e BlackWell primeiramente enxergavam Richard como sendo um rival comercial de Ray Charles, que estava experimentando sucesso pela Atlantic Records cantando canções gospel e desenvolvendo canções com uma batida blues. Richard disse à Rupe que gostava do som de Fats Domino, então Rupe e Blackwell reservaram o estúdio de gravação J & M de Cosimo Matassa em Nova Orleans, e contrataram músicos de estúdio que haviam trabalhado com Fats Domino (incluindo Earl Palmer na bateria e Lee Allen no sax) que logo depois se tornaram músicos da banda de Richard durante turnês no meio dos anos 50. 


Após seguidas gravações que não agradaram Blackwell, Richard começou a espancar no piano um ritmo boogie woogie e gritar a improvisadamente "Tutti Frutti", uma canção que ele havia escrito e apresentado no palco durante anos. Blackwell estava tão impressionado com aquele som que fez Richard gravar a canção. No entanto, para deixar a canção comercialmente aceitável, Richard teve que reescrever a letra. Blackwell achou que a letra com humor homossexual e modos de menestrel precisavam ser limpos. Por exemplo, "Tutti Frutti, good booty" foi substituído por "Tutti Futti, aw-rooty". A canção já tinha a introdução a capella "A-wop-bop-a-loo-lop-a-lop-bam-boom!", que também foi ligeiramente alterada para ficar comercialmente aceitável. A gravação foi lançada pela Specialty em outubro de 1955. 

Little Richard numa de suas últimas aparições públicas 

A expressão "A-wop-bop-a-loo-lop-a-lop-bam-boom!", que virou seu grito de guerra, foi inventada por ele na época em que trabalhava como lavador de pratos na lanchonete da rodoviária de Macon. Ele a usava como resposta às ofensas raciais que seu então patrão dirigia a ele. 

e.2. Morte 

Richard morreu no dia 9 de maio de 2020, aos 87 anos, de tumor ósseo. 

e.3. Discografia 

1957 Here's Little Richard (Specialty) 
1959 Little Richard (Specialty) 
1959 The Fabulous Little Richard (Specialty) 
1960 Pray Along with Little Richard, Volume 1 (End) 
1960 Pray Along with Little Richard, Volume 2 (End) 
1962 The King of the Gospel Singers (Mercury) 
1964 Little Richard Is Back (And There's A Whole Lotta Shakin' Goin' On!) (Vee-Jay) 
1965 Little Richard's Greatest Hits (Vee-Jay) 
1967 The Incredible Little Richard Sings His Greatest Hits - Live! (Modern) 
1967 The Wild and Frantic Little Richard (Modern) 
1967 The Explosive Little Richard (Okeh) 
1967 Little Richard's Greatest Hits: Recorded Live! (Okeh) 
1970 The Rill Thing (Reprise) 
1971 Mr. Big (Joy) 
1971 The King of Rock and Roll (Reprise) 
1972 The Second Coming (Reprise) 
1974 Right Now! (United) 
1974 Talkin' 'bout Soul (Dynasty) 
1976 Little Richard Live (K-Tel) 
1979 God's Beautiful City (Word) 
1986 Lifetime Friend (WEA Records) 
1992 Shake It All About (Disney) 
2005 Southern Child (gravado em 1972) (Reprise) 


Little Richard - Long Tall Sally 1956 



Little Richard - Hound Dog 



Little Richard - Good Golly Miss Molly (Muhammad Ali's 50th Birthday) 



Little Richard - Tutti Frutti at the Concert for the Rock & Roll Hall of Fame 



Little Richard - Lucille Live 1973 



Chuck Berry & Little Richard - Bill Clinton’s Inauguration Ball’ HBO USA 1993 



A história de Little Richard 2000 



Little Richard Final Message 



f) Carl Lee Perkins 


Carl Lee Perkins (9 de abril de 1932 - 19 de janeiro de 1998) foi um cantor e compositor americano que gravou principalmente no Sun Studio, em Memphis, a partir de 1954. Entre suas canções mais conhecidas estão "Blue Suede Shoes", "Matchbox" and "Everybody's Trying to Be My Baby"." 
De acordo com Charlie Daniels, "as canções de Carl Perkins personificavam a era do rockabilly, e o som de Carl Perkins personifica o som rockabilly mais do que qualquer pessoa envolvida nele, porque ele nunca mudou." As canções de Perkins foram gravadas por artistas (e amigos) tão influentes como Elvis Presley, os Beatles, Jimi Hendrix, Johnny Cash e Eric Clapton, que estabeleceram ainda mais seu lugar na história da música popular. Paul McCartney afirmou que "se não houvesse Carl Perkins, não haveria Beatles". 


Chamado de "o Rei do Rockabilly", ele foi introduzido no Rock and Roll Hall of Fame, no Rockabilly Hall of Fame, no Memphis Music Hall of Fame e no Nashville Songwriters Hall of Fame. Ele também recebeu um prêmio Grammy Hall of Fame. 

f.1. Vida pregressa 

Perkins nasceu em Jackson, Tennessee, filho de pobres meeiros, Buck e Louise Perkins (escrito incorretamente em sua certidão de nascimento como "Perkings"). Ele cresceu ouvindo música gospel do Sul cantada por amigos brancos na igreja e por trabalhadores de campo afro-americanos quando trabalhava nos campos de algodão. A partir dos seis anos de idade, durante a primavera e o outono, os dias letivos eram seguidos por algumas horas de trabalho no campo. No verão, os dias de trabalho eram de 12 a 14 horas, "da lata ao impossível". Perkins e seu irmão Jay juntos ganhariam 50 centavos por dia. Todos os membros da família trabalhavam, então havia dinheiro suficiente para feijão e batata, tabaco para o pai de Perkins e, ocasionalmente, o luxo de um saco de cinco centavos de balas duras. 
Nas noites de sábado, Perkins ouvia o Grand Ole Opry no rádio do pai. As transmissões de Roy Acuff o inspiraram a pedir um violão aos pais. Como eles não podiam pagar por um, seu pai fez um com uma caixa de charuto e um cabo de vassoura. Finalmente, um vizinho em tempos difíceis se ofereceu para vender seu modelo de guitarra Gene Autry, amassado e arranhado, com cordas gastas. Buck Perkins comprou para seu filho por alguns dólares. 
Perkins aprendeu sozinho partes de "Great Speckled Bird" e "The Wabash Cannonball" de Acuff, depois de ouvi-los tocados no Opry. Ele também citou o jeito rápido de tocar e os vocais de Bill Monroe como uma das primeiras influências. 


Roy Acuff - Wabash Cannonball 1940 



Roy Acuff - Great Speckled Bird 


Perkins aprendeu mais sobre violão com John Westbrook, um trabalhador de campo afro-americano na casa dos sessenta. "Uncle John", como Perkins o chamava, tocava blues e gospel em um velho violão. Westbrook aconselhou Perkins: "Abaixe-se perto dele. Você pode senti-lo viajar pelas entranhas, vir por sua cabeça e descer até sua alma, onde você mora. Você pode senti-lo. Deixe-o vibrar". Perkins não tinha condições de comprar cordas novas e, quando elas quebraram, ele teve que amarrá-las novamente. Os nós cortavam seus dedos quando ele deslizava para outra nota, então ele começou a dobrar as notas, tropeçando em um tipo de Blue Note. 
Perkins foi recrutado para ser membro da banda de quarta série do condado de Lake. Como sua família era pobre demais para pagá-los, Lee McCutcheon, a mulher responsável pela banda, deu a ele uma nova camisa branca, calça de algodão, um boné branco e uma capa vermelha. 


Em janeiro de 1947, a família Perkins mudou-se de Lake County, Tennessee, para Madison County, Tennessee. Um novo rádio que funcionava com corrente doméstica em vez de bateria e a proximidade de Memphis expôs Perkins a uma variedade maior de músicas. Aos quatorze anos, usando a progressão de acordes I-IV-V comum na música country da época, ele escreveu uma canção que ficou conhecida em torno de Jackson como "Let Me Take You to the Movie, Magg" (a música mais tarde persuadiu Sam Phillips a assinar com Perkins para sua gravadora Sun Records). 

f.2. Começo como performer 

Perkins e seu irmão Jay tiveram seu primeiro trabalho remunerado (em gorjetas) como artistas na taverna Cotton Boll na Rodovia 45, doze milhas ao sul de Jackson, começando nas noites de quarta-feira no final de 1946. Perkins tinha 14 anos. Uma das canções que tocaram foi uma versão aleatória de blues country acelerada de " Blue Moon of Kentucky ", de Bill Monroe. Bebidas grátis eram uma das vantagens de se tocar em uma taverna, e Perkins bebeu quatro cervejas naquela primeira noite. Em um mês, Carl e Jay começaram a tocar nas noites de sexta e sábado na taberna Sand Ditch, perto da fronteira oeste de Jackson. Ambos os locais foram palco de lutas ocasionais, e os dois irmãos Perkins ganharam reputação como lutadores. 
Durante os dois anos seguintes, os irmãos Perkins começaram a tocar em outras tabernas ao redor de Bemis e Jackson, incluindo El Rancho, Roadside Inn e Hilltop, como se tornaram mais conhecidos. Carl convenceu seu irmão Clayton a tocar o contrabaixo para completar o som da banda. 
Perkins começou a se apresentar regularmente no WTJS em Jackson durante o final dos anos 1940 como um membro ocasional dos Tennessee Ramblers. Ele também apareceu no Hayloft Frolic, no qual cantou duas canções, às vezes incluindo "Talking Blues", feito por Robert Lunn no Grand Ole Opry. Perkins e seus irmãos começaram a aparecer em The Early Morning Farm e Home Hour. A resposta positiva do ouvinte resultou em um segmento de 15 minutos patrocinado pela Mother's Best Flour. No final da década de 1940, os Perkins Brothers eram a banda mais conhecida na área de Jackson. 
Perkins teve empregos durante a maior parte desses primeiros anos, colhendo algodão e mais tarde trabalhando na Day's Dairy em Malesus, em uma fábrica de colchões e em uma fábrica de baterias. Ele trabalhou como engraxador de panela para a Colonial Baking Company em 1951 e 1952. 
Em janeiro de 1953, Perkins casou-se com Valda Crider, que conhecia há vários anos. Quando seu trabalho na padaria foi reduzido a meio período, Valda, que tinha seu próprio emprego, incentivou Perkins a começar a trabalhar nas tabernas em tempo integral. Ele começou a tocar seis noites por semana. Mais tarde, no mesmo ano, ele adicionou WS "Fluke" Holland à banda como baterista. Holland não tinha experiência anterior como músico, mas tinha um bom senso de ritmo. 
Malcolm Yelvington, que se lembrou dos Perkins Brothers quando eles tocaram em Covington, Tennessee, em 1953, notou que Carl tinha um estilo próprio de blues incomum. Em 1955, Perkins fez fitas de seu material com um gravador emprestado e as enviou para empresas como Columbia e RCA, com endereços como "Columbia Records, New York City". "Eu tinha enviado fitas para a RCA e a Columbia e nunca tinha ouvido nada delas." 
Em julho de 1954, Perkins e sua esposa ouviram um novo lançamento de "Blue Moon of Kentucky" de Elvis Presley, Scotty Moore e Bill Black no rádio. Enquanto a música desaparecia, Perkins disse: "Há um homem em Memphis que entende o que estamos fazendo. Preciso ir vê-lo." De acordo com outra narração da história, foi Valda quem disse a ele que ele deveria ir para Memphis. Mais tarde, Presley disse a Perkins que viajou para Jackson e viu Perkins e seu grupo tocando em El Rancho. 
Anos mais tarde, o músico Gene Vincent disse a um entrevistador, ao invés de "Blue Moon of Kentucky" ser um "som novo", "muitas pessoas estavam fazendo isso antes, especialmente Carl Perkins." 

f.3. Sun Records 

Perkins fez o teste com sucesso para Sam Phillips na Sun Records no início de outubro de 1954. "Movie Magg" e "Turn Around" foram lançados pelo selo Flip, de propriedade da Phillips em 19 de março de 1955. "Turn Around" tornou-se um sucesso regional. Com a música sendo tocada no Sul e no Sudoeste, Perkins foi contratado para aparecer junto com Elvis Presley nos cinemas em Marianna e West Memphis, Arkansas. Comentando sobre a reação do público a Presley e a si mesmo, Perkins disse: "Quando eu pulava, eles gritavam um pouco, mas estavam se preparando para ele. Foi como TNT, cara, simplesmente explodiu. De repente, o mundo estava envolto em rocha. " 

Jerry Lee Lewis, Carl Perkins, Elvis Presley e Johnny Cash 

Johnny Cash e o Tennessee Two foram os próximos músicos a serem adicionados às apresentações dos músicos da Sun. Durante o verão de 1955, houve viagens para Little Rock e Forrest City, Arkansas e para Corinth and Tupelo, Mississippi. Novamente se apresentando em El Rancho, os irmãos Perkins se envolveram em um acidente de automóvel em Woodside, Delaware. Um amigo, que estava dirigindo, foi imobilizado pelo volante. Perkins conseguiu arrastá-lo do carro, que havia começado a pegar fogo. Clayton foi atirado para fora do carro, mas não ficou gravemente ferido. 
Outra canção de Perkins, "Gone Gone Gone", lançada pela Sun em outubro de 1955, também foi um sucesso regional. Era um "bounce blues em uma combinação saborosa de country e R & B". Foi apoiado pelo mais tradicional "Let the Jukebox Keep On Playing", completo com violino, linha de baixo "Western boogie", guitarra de aço e vocal choroso. 
Comentando sobre a interpretação de Perkins, Sam Phillips foi citado como tendo dito: "Eu sabia que Carl sabia rock e, na verdade, ele me disse desde o início que tocava aquela música antes de Elvis lançar o álbum ... Eu queria ver se era alguém que poderia revolucionar o país final dos negócios. " 
Também no outono de 1955, Perkins escreveu "Blue Suede Shoes" depois de ver um dançarino ficar com raiva de seu par por arranhar seus sapatos. Várias semanas depois, em 19 de dezembro de 1955, Perkins e sua banda gravaram a música durante uma sessão no Sun Studio em Memphis. Phillips sugeriu mudanças na letra ("Go, cat, go"), e a banda mudou o final da música para um "boogie vamp". Presley trocou a Sun pela RCA em novembro, e em 19 de dezembro de 1955, Phillips, que havia começado a gravar Perkins no final de 1954, disse a Perkins: "Carl Perkins, você é meu gato rockabilly agora." Lançado em 1º de janeiro de 1956, "Blue Suede Shoes" foi um grande sucesso nas paradas. Nos Estados Unidos, alcançou o primeiro lugar na parada de música country da revista Billboard (o único sucesso que ele teria) e o segundo lugar na parada de música popular dos mais vendidos da Billboard. Em 17 de março, Perkins se tornou o primeiro artista country a alcançar o número 3 nas paradas de rhythm and blues. Naquela noite, Perkins cantou a música no Ozark Jubilee da ABC-TV, sua estréia na televisão (Presley cantou pela segunda vez naquela mesma noite no Stage Show da CBS-TV; ele a cantou pela primeira vez no programa em 11 de fevereiro). 

No Reino Unido, a música alcançou a décima posição nas paradas britânicas. Foi o primeiro disco de um artista da Sun a vender um milhão de cópias. O lado B, " Honey Don't ", foi regravado pelos Beatles, Wanda Jackson e (nos anos 1970) T. Rex. John Lennon cantou a canção quando os Beatles a cantaram, antes que Ringo Starr a cantasse. Lennon também cantou a música nas fitas perdidas de Lennon. 

f.4. Acidente de carro

Depois de fazer um show em Norfolk, Virginia, em 21 de março de 1956, a Perkins Brothers Band foi para Nova York para uma aparição em 24 de março no Perry Como Show da NBC-TV. Pouco antes do nascer do sol em 22 de março, na Rota 13 entre Dovere Woodside, Delaware, Stuart Pinkham (também conhecido como Richard Stuart e Poor Richard) assumiram as funções de motorista. Depois de bater na carroceria de uma caminhonete, o carro deles caiu em uma vala contendo cerca de trinta centímetros de água, e Perkins foi deixado com o rosto para baixo na água. O baterista Holland derrubou Perkins, salvando-o de um afogamento. Ele teve três vértebras fraturadas no pescoço, uma concussão severa, uma clavícula quebrada e lacerações por todo o corpo no acidente. Perkins permaneceu inconsciente por um dia inteiro. O motorista da picape, Thomas Phillips, um fazendeiro de 40 anos, morreu ao ser jogado do volante. Jay Perkins teve um pescoço fraturado e graves ferimentos internos; ele nunca se recuperou totalmente e morreu em 1958. 

Carl Perkins pelo artista Otis Porritt 

Em 23 de março, Bill Black, Scotty Moore e DJ Fontana, os membros da banda de Elvis, visitaram Perkins a caminho de Nova York para se apresentar com Presley no dia seguinte. Fontana se lembra de Perkins dizendo: "De todas as pessoas, olhei para cima e aí estão vocês. Pareciam um bando de anjos vindo me ver." Black disse a ele, "Ei cara, Elvis mandou lembranças", e acendeu um cigarro para ele, embora o paciente na cama ao lado estivesse em uma tenda de oxigênio. Uma semana depois, Perkins recebeu um telegrama de Presley (que chegara em 23 de março), desejando-lhe uma recuperação rápida. 
Sam Philips planejava surpreender Perkins com um disco de ouro no The Perry Como Show. "Blue Suede Shoes" vendeu mais de 500.000 cópias em 22 de março. Agora, enquanto Perkins se recuperava de seus ferimentos, "Blue Suede Shoes" alcançou o número 1 no pop regional, R&B e country chart. Ele também alcançou o número 2 nas paradas pop e country da Billboard. "Heartbreak Hotel", de Elvis Presley, era o número um nas paradas pop e country na época, mas "Blue Suede Shoes" se saiu melhor do que "Heartbreak" nas paradas de R&B. Em meados de abril, mais de um milhão de cópias de "Blue Suede Shoes" foram vendidas. 
Em 3 de abril, enquanto ainda se recuperava em Jackson, Perkins assistiu Presley executar "Blue Suede Shoes" em sua primeira aparição no The Milton Berle Show, que foi sua terceira apresentação da canção na televisão nacional. Ele também fez referências a ele duas vezes durante uma aparição no The Steve Allen Show. Embora sua versão tenha se tornado mais famosa do que a de Perkins, alcançou apenas a posição 20 na parada pop da Billboard. 

f.4. Voltar a gravar e nova turnê 

Perkins voltou às apresentações ao vivo em 21 de abril de 1956, começando com uma aparição em Beaumont, Texas, com a turnê "Big D Jamboree". Antes de retomar a turnê, Sam Phillips arranjou uma sessão de gravação na Sun, com Ed Cisco substituindo Jay, que ainda se recuperava. Em meados de abril, " Dixie Fried ", "Put Your Cat Clothing On", "Right String, Wrong Yo-Yo", "You Can't Make Love to Somebody", " Everybody's Trying Be My Baby " e " That Don't Move Me "foi gravado. 
No início daquele verão, Perkins recebeu US $ 1.000 para tocar apenas duas músicas por noite na longa turnê de "Top Stars of '56". Outros artistas da turnê foram Chuck Berry e Frankie Lymon and the Teenagers. Quando Perkins e o grupo entraram no palco em Columbia, Carolina do Sul, ele ficou chocado ao ver um adolescente com o queixo sangrando pressionado contra o palco pela multidão. Durante o primeiro intervalo de guitarra de "Honey Don't", eles foram expulsos do palco para um camarim vazio atrás de uma fila dupla de policiais. Perkins foi citado como tendo dito: "Foi perigoso. Muitas crianças se machucaram. Havia muitos tumultos acontecendo, simplesmente loucura, cara! A música os deixou loucos." Chocado com o que viu Perkins desistiu da turnê. Aparecendo com Gene Vincent e Lillian Briggs em um "show de rock 'n' roll", ele ajudou a atrair 39.872 pessoas para a Feira de Reading na Pensilvânia em uma noite de terça-feira no final de setembro. Uma arquibancada cheia e mil pessoas ficaram sob uma forte chuva para ouvir Perkins e Briggs na Feira de Brockton em Massachusetts. 


A Sun lançou mais canções de Perkins em 1956: "Boppin 'the Blues", "All Mama's Children" (Sun 243), o lado B co-escrito com Johnny Cash e " Dixie Fried ", "I'm Sorry, I'm Sorry, I'm No Lament" (Dom 249). "Matchbox", "Your True Love" (Dom 261) foram lançados em fevereiro de 1957. "Boppin 'the Blues" alcançou a posição 47 na parada de singles pop Cashbox, a posição 9 na Billboard country e western chart e o número 70 na tabela Top 100 da Billboard. 
"Matchbox" é considerado um clássico do rockabilly. No dia em que foi gravado, Elvis Presley visitou o estúdio. Perkins, Presley, Jerry Lee Lewis e Johnny Cash (que saiu mais cedo) passaram mais de uma hora cantando músicas gospel, country e rhythm-and-blues enquanto uma fita rolava. Os artistas nesta sessão casual foram chamados de Million Dollar Quartet por um jornal local no dia seguinte. Essas gravações foram lançadas em CD em 1990. 
Em 2 de fevereiro de 1957, Perkins apareceu novamente no Ozark Jubilee, cantando "Matchbox" e "Blue Suede Shoes". Ele também fez pelo menos duas apresentações no Town Hall Party em Compton, Califórnia, em 1957, cantando as duas canções. Essas apresentações foram incluídas na série Western Ranch Dance Party filmada e distribuída pela Screen Gems. 
Ele lançou " That's Right ", co-escrito com Johnny Cash, apoiado com a balada "Forever Yours", como Sun single 274 em agosto de 1957. Nenhum dos lados chegou às paradas. 
O filme Jamboree de 1957 incluiu uma performance de Perkins de " Glad All Over " (não confundir com a música de Dave Clark Five de mesmo nome), que durou 1:55. "Glad All Over", escrito por Aaron Schroeder, Sid Tepper e Roy C. Bennett, foi lançado pela Sun em janeiro de 1958. 


Jamboree 



Carl Perkins - Glad All Over 



f.5. Vida após a Sun Records 

Em 1958, Perkins mudou-se para a Columbia Records, onde gravou "Jive After Five", "Rockin 'Record Hop", "Levi Jacket (And a Long Tail Shirt)", "Pop, Let Me Have the Car", "Pink Pedal Pushers","Any Way the Wind Blows","Hambone", “Sister Twister”, "Pointed Toe Shoes","Loveville"e outras canções. 
Em 1959, ele escreveu a música country e western "The Ballad of Boot Hill" para Johnny Cash, que a gravou em um EP pela Columbia Records. No mesmo ano, Perkins foi escalado para um filme filipino produzido pela People's Pictures, Hawaiian Boy, no qual cantou "Blue Suede Shoes". 


The Ballad Of Boot Hill - Johnny Cash (live) 



Ele se apresentou com frequência no Golden Nugget Casino em Las Vegas em 1962 e 1963. Durante esse tempo, ele percorreu nove estados do Meio-Oeste e fez uma turnê na Alemanha. 
Em maio de 1964, Perkins fez uma turnê pela Grã-Bretanha com Chuck Berry. Perkins estava relutante em realizar a turnê, convencido de que por mais esquecido que estivesse na América, seria ainda mais obscuro no Reino Unido e não queria ser humilhado por atrair escassas audiências. Berry garantiu que eles permaneceram muito mais populares na Grã-Bretanha desde 1950 do que nos Estados Unidos e que haveria grandes multidões de fãs em cada show. 

Carl Perkins pelas lentes de David Redfern 

Os Animals apoiaram os dois artistas. Na última noite da turnê, Perkins compareceu a uma festa em que se sentou no chão compartilhando histórias, tocando violão e cantando enquanto estava rodeado pelos Beatles. Ringo Starr perguntou se ele poderia gravar "Honey Don't". Perkins respondeu: "Cara, vá em frente, faça isso". Os Beatles passaram a gravar covers de "Matchbox", "Honey Don't" e "Everybody's Trying to Be My Baby" (gravada por Perkins, adaptada de uma canção originalmente gravada por Rex Griffin em 1936, com música nova por Perkins; uma canção com o mesmo título foi gravada por Roy Newman em 1938). Os Beatles gravaram duas versões de "Glad All Over" em 1963. Outra turnê pela Alemanha ocorreu no outono. 
Ele lançou "Big Bad Blues" com "Lonely Heart" como um single pela Brunswick Records com o Nashville Teens em junho de 1964. 
Em 1966, Perkins assinou com a Dollie Records e lançou como seu primeiro single "Country Boy's Dream", que alcançou a posição # 22 nas paradas country. 


Carl Perkins - Country Boy's Dream 



Durante a turnê com a trupe de Johnny Cash em 1968, Perkins entrou em uma bebedeira de quatro dias. Com a insistência de Cash, ele abriu um show em San Diego, Califórnia, tocando quatro músicas depois de ver "quatro ou cinco de mim no espelho" e ao mesmo tempo ser capaz de ver "nada além de um borrão". Depois de beber mais um litro de uísque, ele desmaiou no ônibus de turismo. Pela manhã, ele começou a ter alucinações "grandes aranhas e dinossauros, enormes, e eles iam pisar em mim". O ônibus estava estacionado em uma praia à beira-mar. Ele foi tentado por mais um litro de uísque que havia escondido. Ele levou a garrafa com ele para a praia e caiu de joelhos e disse: "Senhor, eu vou jogar esta garrafa. Vou mostrar para você que acredito em você. Eu naveguei no Pacífico. Eu me levantei, eu sabia que tinha feito a coisa certa. "Perkins e Cash, que tinha seus próprios problemas com drogas, deram-se apoio para permanecerem sóbrios. 

Carl Perkins pelas lentes de Hattie Miles 

Em 1968, Cash gravou "Daddy Sang Bass", escrita por Perkins (que incorpora partes do padrão americano "Will the Circle Be Unbroken") e alcançou o primeiro lugar nas paradas de música country por seis semanas. Glen Campbell também fez um cover da música, assim como os Statler Brothers e Carl Story. "Daddy Sang Bass" foi indicado para Canção do Ano pela Country Music Association. Perkins também tocou guitarra no single " A Boy Named Sue " de Cash, gravado ao vivo na prisão de San Quentin, que alcançou o primeiro lugar por cinco semanas na parada country e o segundo lugar na parada pop (a performance também foi filmada por Granada Televisionpara transmissão). Perkins passou uma década na revista musical de Cash, muitas vezes como banda de abertura de Cash (como nos concertos na prisão de Folsom e San Quentin, nos quais foi gravado cantando "Blue Suede Shoes" e "Matchbox" antes de Cash subir ao palco; essas apresentações não foram lançadas até os anos 2000). Ele também apareceu na série de televisão The Johnny Cash Show. Ele jogou "Matchbox" com dinheiro e Derek and the Dominos 's Eric Clapton. Cash também apresentou Perkins no ensaio com José Feliciano e Merle Travis. 
No programa de televisão Kraft Music Hall em 16 de abril de 1969, apresentado por Cash, Perkins cantou sua canção "Restless". 
Perkins e Bob Dylan escreveram "Champaign, Illinois" em 1969. Dylan estava gravando em Nashville de 12 a 21 de fevereiro para seu álbum Nashville Skyline. Ele conheceu Perkins quando ele apareceu no The Johnny Cash Show em 7 de junho. Dylan havia escrito um verso da música, mas ele não conseguia terminar a música. Perkins elaborou um ritmo acelerado e improvisou uma letra de fim de verso, e Dylan disse a ele: "Sua música. Pegue-a. Está terminada." A canção em co-autoria foi incluída no álbum de 1969 de Perkins On Top. 


Carl Perkins - Champaign, Illinois 



Perkins também foi unido em 1969 por Murray Krugman da Columbia com um grupo de rockabilly baseado no Vale do Hudson em Nova York, o New Rhythm and Blues Quartet. Perkins e NRBQ gravaram Boppin 'the Blues, que contou com o apoio do grupo em canções como "Turn Around" e "Boppin' the Blues" e incluiu canções gravadas separadamente por Perkins e NRBQ. Uma de suas aparições na TV com Cash foi na popular série country Hee Haw, em 16 de fevereiro de 1974. 
Tommy Cash (irmão de Johnny Cash) alcançou o Top Ten country gospel em 1970 com a gravação da canção "Rise and Shine", escrita por Perkins. Ele alcançou a posição 9 na tabela nacional da Billboard e a 8ª posição na tabela canadense. Arlene Harden teve um hit country no Top 40 em 1971 com a composição de Perkins "True Love Is Greater Than Friendship", do filme Little Fauss and Big Halsy (1971), que alcançou a posição 22 na parada country da Billboard e a 33 na Billboard Gráfico adulto contemporâneo do Al Martino nesse mesmo ano. 
Depois de uma longa luta legal com Sam Phillips sobre royalties, Perkins ganhou a propriedade de suas canções na década de 1970. 

f.6. Anos depois 

Em 1981 Perkins gravou a música "Get It" com Paul McCartney, fornecendo vocais e tocando guitarra com o ex-Beatle. Esta gravação foi incluída no álbum Tug of War, lançado em 1982. Esta faixa também foi o lado B da faixa título single em uma forma ligeiramente editada. Uma fonte afirma que Perkins "escreveu a música com Paul McCartney". A música termina com um desaparecimento da risada improvisada de Perkins. 
O renascimento do rockabilly da década de 1980 ajudou a trazer Perkins de volta aos holofotes. Em 1985, ele regravou "Blue Suede Shoes" com Lee Rocker e Slim Jim Phantom dos Stray Cats, como parte da trilha sonora do filme Porky's Revenge. 
Em outubro de 1985, George Harrison, Eric Clapton, Dave Edmunds, Lee Rocker, Rosanne Cash e Ringo Starr apareceram com ele no palco para um especial de televisão, Blue Suede Shoes: A Rockabilly Session, que foi gravado ao vivo no Limehouse Studios em Londres. O programa foi exibido no Canal 4 em 1 de janeiro de 1986. Perkins executou 16 canções, com dois encores, em uma performance extraordinária. Ele e seus amigos encerraram a sessão cantando sua canção mais famosa, 30 anos após sua composição, o que levou Perkins às lágrimas. O show especial foi um destaque de sua carreira posterior e foi elogiado pelos fãs pelas apresentações animadas de Perkins e seus convidados. O show foi lançado em DVD pela Snapper Music em 2006. 
Perkins foi incluído no Hall da Fama dos compositores de Nashville em 1985. O reconhecimento mais amplo de sua contribuição para a música veio com sua introdução no Hall da Fama do Rock and Roll em 1987. "Blue Suede Shoes" foi escolhido como um dos membros do Rock and Roll Hall das “500 canções que deram forma ao Rock and Roll” da Fame. A canção também recebeu um prêmio Grammy Hall of Fame. Perkins foi incluído no Rockabilly Hall of Fame em reconhecimento à sua contribuição pioneira para o gênero. 

Carl Perkins, Roy Orbison, Johnny Cash e Jerry Lee Lewis em 1977 

A única atuação notável de Perkins como ator foi no filme de John Landis, Into the Night, de 1985, um filme com uma participação especial que inclui uma cena em que os personagens interpretados por Perkins e David Bowie morrem nas mãos um do outro. 
Perkins voltou ao Sun Studio em Memphis em 1986, juntando-se a Cash, Jerry Lee Lewis e Roy Orbison no álbum Class of '55. O álbum foi um tributo aos primeiros anos na Sun e, especificamente, à jam session do Million Dollar Quartet envolvendo Perkins, Presley, Cash e Lewis em 1956. 
Em 1989, Perkins co-escreveu e tocou guitarra no hit country número 1 de Judds, "Let Me Tell You About Love". Também naquele ano, ele assinou um contrato com a Platinum Records para o álbum Friends, Family, and Legends, com apresentações de Chet Atkins, Travis Tritt, Steve Wariner, Joan Jett e Charlie Daniels, junto com Paul Shaffer e Will Lee. Durante a produção deste álbum, Perkins desenvolveu câncer na garganta. 
Ele voltou novamente ao Sun Studio para gravar com Scotty Moore, o primeiro guitarrista de Presley, para o álbum 706 ReUnion, lançado pela Belle Meade Records, que também contou com DJ Fontana, Marcus Van Storey e os Jordanaires. Em 1993, Perkins se apresentou com o Kentucky Headhunters em um remake do videoclipe de sua canção "Dixie Fried", filmado em Glasgow, Kentucky. Em 1994, ele se juntou a Duane Eddy e os Mavericks para contribuir com "Matchbox" para o álbum beneficente da AIDS Red Hot + Country, produzido pela Red Hot Organization. 
Seu último álbum, Go Cat Go! lançado pelo selo independente Dinosaur Records em 1996, apresenta Perkins cantando duetos com Bono , Johnny Cash, John Fogerty , George Harrison, Paul McCartney, Willie Nelson , Tom Petty , Paul Simon e Ringo Starr . 
Seu último grande show foi o concerto beneficente Music for Montserrat, no Royal Albert Hall, em Londres, em 15 de setembro de 1997, quatro meses antes de sua morte. 

f.7. Vida pessoal 

Um forte defensor da prevenção do abuso infantil, Perkins trabalhou com o Jackson Exchange Club para estabelecer o primeiro centro para a prevenção do abuso infantil no Tennessee e o quarto no país. Os rendimentos de um concerto planejado por Perkins foram combinados com uma doação do National Exchange Club para estabelecer a Prevenção de Abuso Infantil em outubro de 1981. Durante anos, seu Círculo de Esperança Teleton anual gerou um quarto do orçamento operacional anual do centro. 
Perkins teve uma filha, Debbie, e três filhos, Stan, Greg e Steve. 
Stan, seu filho primogênito, também é um artista musical. Em 2010, juntou forças com Jerry Naylor para gravar um tributo em dueto, "To Carl: Let it Vibrate". Stan foi introduzido no Rockabilly Hall of Fame. 
Perkins morreu em 19 de janeiro de 1998, aos 65 anos, no Jackson-Madison County Hospital, em Jackson, Tennessee, de câncer na garganta. Ele havia sofrido vários derrames leves no mês anterior. Entre os presentes em seu funeral na Lambuth University estavam George Harrison, Jerry Lee Lewis, Wynonna Judd, Garth Brooks, o agente de Nashville Jim Dallas Crouch, Johnny Cash e June Carter Cash. Perkins foi enterrado no Cemitério Ridgecrest em Jackson. 
A viúva de Perkins, Valda deVere Perkins, morreu em 15 de novembro de 2005 em Jackson. 

f.8. Discografia 

1957 Dance Album 
1958 Whole Lotta Shakin' 
1967 Country Boy's Dream 
1969 On Top 
1973 My Kind of Country 
1978 Ol' Blue Suede's Back 
1979 Country Soul 
1981 Country Soul 
1982 This Ole House 
1982 Presenting 
1984 Disciple in Blue Suede Shoes 
1989 Born to Rock 
1992 Friends, Family & Legends 
1993 Take Me Back 


Carl Perkins - Blue Suede Shoes Perry Como Show 1956 



Carl Perkins - Matchbox 1950 



Carl Perkins At Town Hall Party 1958 



Carl Perkins - Forever Yours At Western Ranch Party 1958 



Johnny Cash, Jerry Lee Lewis, Roy Orbison And Carl Perkins 



The Beatles - Honey Don't Live At The BBC 1963 



The Beatles - Matchbox (1962) 



Paul McCartney e Carl Perkins - Get It 



Paul McCartney & Carl Perkins - My Old Friend 



Carl Perkins and Jeff Goldblum - Into The Night Movie 1985 



Carl Perkins e David Bowie – Into The Night Movie 1985 



Carl Perkins, Dave Edmunds, Lee Rocker - Boppin' The Blues 1985 Capitol Theatre 



Carl Perkins, Eric Clapton, George Harrison - Blue Suede Shoes 1985 Capitol Theatre 



Music For Montserrat Royal Albert Hall - London UK - 15th September 1997 






Até o próximo encontro!


domingo, 11 de outubro de 2020

ROCK - Suas Histórias & Suas Magias - Capítulo 9 Parte 6

A História do Rock na Década de 50


18. A Primeira Onda do Rock And Roll 

Elvis e Bill Haley abriram caminho para o advento da Primeira Onda do Rock and Roll. Na sua esteira vieram verdadeiros ídolos juvenis, a primeira leva de Rockers da história. 
São eles: 

a) Chuck Berry 


Charles Edward Anderson Berry (St. Louis, 18 de outubro de 1926 – Wentzville, 18 de março de 2017), mais conhecido como Chuck Berry, foi um cantor e compositor estadunidense, um dos pioneiros do gênero rock and roll. Com canções como "Maybellene" (1955), "Roll Over Beethoven" (1956), "Rock and Roll Music" (1957) e "Johnny B. Goode" (1958), Berry refinou e desenvolveu o rhythm and blues nos principais elementos que tornaram o rock and roll distinto. Escrevendo letras focadas na vida adolescente e no consumismo, e desenvolvendo um estilo musical que incluía solos de guitarra e espetáculo, Berry tornou-se uma grande influência na música rock subsequente. 
Nascido em uma família afro-americana de classe média em St. Louis, Missouri, Berry tinha interesse em música desde cedo e fez sua primeira apresentação pública na Sumner High School. Enquanto ainda estudante do ensino médio, ele foi condenado por assalto à mão armada e foi enviado para um reformatório, onde ficou de 1944 a 1947. Após a sua libertação, Berry se casou e trabalhou em uma fábrica de montagem de automóveis. No início de 1953, influenciado pelos riffs de guitarra e técnicas de showman do músico de blues T-Bone Walker, Berry começou a se apresentar com o Johnnie Johnson Trio. Sua virada veio quando ele viajou para Chicago em maio de 1955 e conheceu Muddy Waters, que sugeriu que ele contatasse Leonard Chess, da Chess Records. Com Chess, ele gravou "Maybellene" – adaptação de Berry da música country "Ida Red" – que vendeu mais de um milhão de cópias, alcançando o número um na parada de rhythm and blues da revista Billboard. No final da década de 1950, Berry era uma estrela consagrada, com vários álbuns de sucesso e aparições em filmes e uma lucrativa carreira de turnê. Ele também estabeleceu sua própria boate em St. Louis, Berry's Club Bandstand. No entanto, foi condenado a três anos de prisão em janeiro de 1962 por delitos sob o Mann Act – ele havia transportado uma menina de catorze anos para o outro lado do estado. Após sua libertação em 1963, teve vários outros sucessos, incluindo "No Particular Place to Go", "You Never Can Tell" e "Nadine". Mas estes não alcançaram o mesmo sucesso, ou impacto duradouro, de suas canções de 1950, e na década de 1970 ele era mais procurado como um artista nostálgico, tocando seus sucessos passados com bandas de apoio locais de qualidade variável. No entanto, em 1972, ele alcançou um novo nível de popularidade quando uma versão de "My Ding-a-Ling" se tornou seu único registro no topo das paradas. Sua insistência em ser pago em dinheiro o levou, em 1979, a quatro meses de prisão e serviço comunitário, por sonegação de impostos. 

Chuck Berry & Keith Richards 

Berry foi um dos primeiros músicos a entrar no Rock and Roll Hall of Fame em sua estreia em 1986; ele foi citado por ter "lançado as bases para não apenas um som do rock and roll, mas para a postura rock and roll". Berry está incluído em várias das listas de "maiores de todos os tempos" da revista Rolling Stone; ele ficou em quinto lugar nas listas de 2004 e 2011 dos 100 Maiores Artistas de Todos os Tempos. As 500 músicas do Rock and Roll Hall of Fame que deram forma ao Rock and Roll incluem três de Berry: "Johnny B. Goode", "Maybellene" e "Rock and Roll Music". "Johnny B. Goode", de Berry, é a única canção de rock and roll incluída no Voyager Golden Record. Ele foi apelidado pela National Broadcasting Company como o "Pai do Rock and Roll". 

Chuck Berry no Hall of Fame Induction Show

a.1. Primeiros anos 

Nascido em St. Louis, Missouri, Berry foi o quarto filho de uma família de seis pessoas. Ele cresceu no bairro norte de St. Louis conhecido como Ville, uma área onde muitas pessoas de classe média viviam. Seu pai, Henry William Berry (1895–1987), era contratado e diácono de uma igreja batista próxima; sua mãe, Martha Bell (Banks) (1894–1980), era uma diretora de escola pública certificada. A educação de Berry permitiu que ele continuasse seu interesse pela música desde cedo. Ele fez sua primeira apresentação pública em 1941, enquanto ainda estudante da Sumner High School; ainda era estudante em 1944, quando foi preso por assalto a mão armada depois de roubar três lojas em Kansas City, e roubar um carro com alguns amigos. O relato de Berry em sua autobiografia é que seu carro quebrou e ele roubou um carro que passava com uma arma de brinquedo. Ele foi condenado e enviado para o Reformatório Intermediário para Rapazes em Algoa, perto de Jefferson City, Missouri, onde ele formou um quarteto de canto e lutou boxe. O grupo de canto tornou-se competente o suficiente para que as autoridades permitissem que se apresentassem fora do centro de detenção. 
Em 28 de outubro de 1948, Berry se casou com Themetta "Toddy" Suggs, que deu à luz a Darlin Ingrid Berry em 3 de outubro de 1950. Berry ajudou sua família assumindo vários empregos em St. Louis, trabalhando brevemente como operário em duas fábricas de montagem de automóveis e como zelador no prédio onde ele e sua esposa moravam. Depois disso, ele se formou como esteticista no Poro College of Cosmetology, fundado por Annie Turnbo Malone. Ele estava indo bem o suficiente em 1950 para comprar uma "pequena casa de tijolos de três quartos com banheiro" na Whittier Street, que agora é listada como a Casa Chuck Berry no Registro Nacional de Lugares Históricos. 
No início dos anos 1950, Berry estava trabalhando com bandas locais em clubes em St. Louis como uma fonte extra de renda. Ele tocava blues desde a adolescência e se inspirava nos riffs de guitarra e técnicas de showmanship do músico de blues T-Bone Walker. Ele também teve aulas de guitarra de seu amigo Ira Harris, que lançou as bases para seu estilo como guitarrista. 
No início de 1953, Berry estava se apresentando com o trio Johnnie Johnson, iniciando uma colaboração de longa data com o pianista. A banda tocava principalmente blues e baladas, mas a música mais popular entre os brancos da região era country. Berry escreveu: "A curiosidade me provocou a colocar muitas das nossas “coisas country” em nossa audiência predominantemente negra e alguns de nossos fãs negros começaram a sussurrar 'quem é aquele caipira negro no Cosmo?' Depois que eles riram de mim algumas vezes eles começaram a pedir as coisas caipiras e gostaram de dançar." 
O desempenho calculado de Berry, junto com uma mistura de músicas country e músicas de R&B, cantadas no estilo de Nat King Cole, com a música de Muddy Waters, trouxe um público mais amplo, particularmente pessoas brancas ricas. 

a.2. Morte 

Em 18 de março de 2017, a polícia do Condado de Saint Charles, Missouri, foi chamada à casa de Berry, perto de Wentzville, onde ele foi encontrado inconsciente. Ele foi declarado morto no local, aos 90 anos, por seu médico pessoal. O TMZ publicou uma gravação de áudio em seu site na qual o operador do plantão policial pode ser ouvido respondendo a uma chamada de "parada cardíaca" na casa de Berry. 


O funeral de Berry foi realizado em 9 de abril de 2017, no The Pageant, na cidade natal de Berry, St. Louis, Missouri. Ele foi lembrado com uma cerimônia pública da família, amigos e fãs em The Pageant, um clube de música onde ele frequentemente se apresentava, com sua guitarra vermelho-cereja presa à tampa interna do caixão e com arranjos de flores que incluíam um enviado pelos Rolling Stones em forma de guitarra. Posteriormente, foi realizado um velório privado no clube, celebrando a vida e a carreira musical de Berry, com a família Berry convidando 300 membros para a cerimônia. Gene Simmons, da banda Kiss, fez um elogio improvisado e não divulgado durante a cerimônia, enquanto Little Richard estava programado para liderar a procissão fúnebre, mas não pôde comparecer devido ao seu estado de saúde. Na noite anterior, muitos bares da região de St. Louis realizaram um brinde em massa às 10 da noite, em homenagem a Berry. 
Um dos advogados de Berry estimou que seu patrimônio valeria 50 milhões de dólares, incluindo 17 milhões em direitos autorais. A publicação musical de Berry foi responsável por 13 milhões do valor do espólio. O espólio de Berry possuía aproximadamente metade de seus créditos de composição, enquanto a BMG Rights Management controlava a outra metade; A maioria das gravações de Berry são atualmente propriedade da Universal Music Group. Em setembro de 2017, o selo Dualtone, que lançou o último álbum de Berry, Chuck, concordou em publicar todas as suas composições nos Estados Unidos. 

a.3. Discografia 

Álbuns de estúdio 

Rock, Rock, Rock (com The Moonglows e The Flamingos) (1956) 
After School Session (1957) 
One Dozen Berrys (1958) 
Chuck Berry Is on Top (1959) 
Rockin' at the Hops (1960) 
New Juke-Box Hits (1961) 
Two Great Guitars - Bo Diddley & Chuck Berry (1964) 
St. Louis to Liverpool (1964) 
Chuck Berry in London (1965) 
Fresh Berry's (1965) 
Chuck Berry's Golden Hits (1967) 
Chuck Berry in Memphis (1967) 
From St. Louie to Frisco (1968) 
Concerto In B. Goode (1969) 
Back Home (1970) 
San Francisco Dues (1971) 
The London Chuck Berry Sessions (1972) 
Bio (1973) 
Chuck Berry (1975) 
Rock It (1979) 
Chuck (2017) 

Álbuns Ao vivo 

Chuck Berry on Stage (1963) 
Live at the Fillmore Auditorium (1967) 
The London Chuck Berry Sessions (1972) 
Chuck Berry Live in Concert (1978) 
Chuck Berry Live (1981) 
Toronto Rock 'n' Roll Revival 1969 Vol. II (1982) 
Toronto Rock 'n' Roll Revival 1969 Vol. III (1982) 
Hail! Hail! Rock 'n' Roll (1987) 
Live! (2000) 
Live on Stage (2000) 
Chuck Berry - In Concert (2002) 


Chuck Berry - Johnny B. Goode (Live 1958) 



Chuck Berry - Memphis Tennessee 



Chuck Berry, Eric Clapton, Keith Richards, Etta James - Rock 'n' Roll Music 



Hail! Hail! Rock 'N' Roll - Clapton and Berry Work Out A Song 



Chuck Berry Hail! Hail! Rock 'N' Roll (1987) 



Chuck Berry Hail! Hail! Rock 'N' Roll (1987) Chuck & Keith Rehearse 



Chuck Berry, Eric Clapton, Keith Richards Jam



Chuck Berry With Bruce Springsteen & The E Street Band - Johnny B. Goode 



Chuck Berry - Rest In Peace (1926-2017) (AVO Sessions Switzerland 2007) 



b) Buddy Holly 


Charles Hardin Holley (Lubbock, 7 de setembro de 1936 – Clear Lake, 3 de fevereiro de 1959), mais conhecido como Buddy Holly, foi um influente guitarrista, cantor e compositor estadunidense e pioneiro do rock and roll. 
Embora seu sucesso tenha durado apenas um ano e meio antes de sua morte, em um acidente aéreo em 1959, conhecido como O Dia em que a Música Morreu (The Day the Music Died), em que morreram também os cantores Ritchie Valens e J.P. Richardson, Holly é descrito pelos críticos como "a força criativa mais influente dos primórdios do rock".[2] Seus trabalhos e inovações inspiraram e influenciaram tanto seus contemporâneos quanto futuros músicos, notavelmente The Beatles, The Rolling Stones, Eric Clapton, Don McLean e Bob Dylan, exercendo uma contribuição significante na música pop. 

Buddy Holly and the Crickets 

O nome de Holly foi um dos primeiros a serem incluídos no Hall da Fama do Rock and Roll quando de sua fundação em 1986. Em 2004, ele foi listado pela revista Rolling Stone na 13ª colocação entre os "Maiores Artistas de Todos os Tempos". Foi considerado o 80º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone. 
Em 7 de setembro de 2011, dia em que completaria 75 anos de idade, Buddy Holly finalmente ganha sua estrela na Calçada da Fama, em Hollywood. 

b.1. Biografia 

Holly nasceu em Lubbock, Texas, Estados Unidos. Os Holleys eram uma família de músicos e cedo Buddy aprendeu a tocar violino, piano e guitarra. Ainda adolescente, já tocava como profissional num duo de música country. A sua grande oportunidade surgiu quando fez a abertura de um concerto de Bill Haley and The Comets num espectáculo local. Assinou contrato pela Decca Records para uma gravação a solo, mas o seu sucesso prematuro iludiu-o. 
De volta a Lubbock, Holly formou a sua própria banda, The Crickets, e começou a gravar discos no estúdio do produtor Norman Petty em Clovis, Novo México. Entre as músicas que gravou, encontrava-se "That'll Be The Day", no qual foi buscar o título em uma frase que o ator John Wayne repetia ao longo do filme The Searchers. Norman tinha conhecimentos da indústria musical, e como acreditava que "That'll Be The Day" seria um grande sucesso, fez contatos com editoras. A Coral Records, subsidiária da Decca na época, contratou Buddy e os Crickets, pondo-o na caricata situação de ter dois contratos ao mesmo tempo. 

Buddy Holly and the Crickets 

A música de Holly era sofisticada para seus dias, incluindo o uso de novos instrumentos (para o rock and roll). Holly era um bom guitarrista rítmico, notável em músicas como "Peggy Sue" e "Not Fade Away". Holly podia fazer músicas do tipo garoto-ama-garota como o melhor de seus contemporâneos, outras músicas tinham letras mais sofisticadas, harmonias e melodias muito bem trabalhadas e complexas, que nunca foram mostradas no gênero. 
Holly também conseguiu controlar algumas das "guerras" raciais que pontuavam o rock, conseguiu ganhar uma plateia quase toda de negros, quando acidentalmente tocou no Teatro Apollo em Nova York (Diferente do que aparece no filme de sua biografia, levou muitas performances para a audiência se convencer de seu talento). 
Depois do lançamento de muitas músicas de sucesso, em março de 1958, ele e os Crickets fizeram uma turnê pela Inglaterra. Na audiência, havia dois adolescentes que futuramente entrariam para a história do rock. Um deles era um jovem chamado Paul McCartney, que depois citou Holly como uma de suas principais influências (o nome da sua banda The Beatles, foi escolhida boa parte, em função do nome da banda de Holly, The Crickets). O outro era Mick Jagger que também recebeu forte influência musical de Holly, tanto que um dos primeiros sucessos de sua banda, os Rolling Stones, foi uma versão de "Not Fade Away", e até hoje eles a tocam em suas apresentações. O estilo pessoal de Holly, mais controlado e cerebral que Elvis Presley, e mais jovial e inovador que os astros western de sua época, teve uma influência na cultura jovem nos dois lados do atlântico por décadas, refletindo particularmente na música new wave, movimento de artistas como Elvis Costello e Marshall Crenshaw, e também em bandas anteriores, como The Byrds e The Turtles. 
Buddy Holly casou-se com Maria Elena Santiago em 15 de agosto de 1958, na casa da família de Holly, em Lubbock. 

b.2. Morte 

Em 1959, Holly saiu do The Crickets e começou uma carreira solo com outros artistas famosos, incluindo os cantores Ritchie Valens e The Big Bopper. 

Surf Balroom em Clear Lake Iowa 

Depois de uma performance no dia 2 de fevereiro no Surf Ballroom em Clear Lake, Iowa, o pequeno avião Beechcraft Bonanza, no qual viajava com mais 2 passageiros, caiu no milharal de Albet Juhl, algumas milhas depois, às 1:05 da manhã. A queda matou Holly, Valens, Richardson e o piloto Roger Peterson. Esse evento inspirou o cantor Don McLean a criar uma popular música de 1971, chamada "American Pie", e imortalizou o dia 3 de fevereiro como "o dia em que a música morreu". Serviços de funeral foram requisitados na Igreja Batista em Lubbock, Texas, e Buddy Holly foi enterrado no Cemitério de Lubbock, Lubbock, Texas nos Estados Unidos. Sua esposa, Maria Elena Santiago, não compareceu ao enterro de Buddy. 

b.3. Tributos 

Em 1988, Ken Paquette, um morador de Wisconsin e fã de rock dos anos 50, erigiu um monumento de aço que representava uma guitarra e um set de três discos pontuados pelos nomes dos três artistas mortos no acidente aéreo. Ele também criou um monumento similar perto de Riverside Ballroom, em Green Bay, Wisconsin. 
O enredo dramático da vida de Holly inspirou um filme de Hollywood, chamado The Buddy Holly Story, pelo qual o ator americano Gary Busey recebeu uma indicação ao Oscar de "Melhor Ator". O filme daria origem também a um musical da Broadway. 
Buddy Holly é considerado um dos fundadores do rock'n'roll e um de seus músicos mais influentes. Embora sua carreira tenha terminado tão cedo, o trabalho deixado por ele é considerado um dos melhores da história do rock e sua música influenciaria não apenas seus contemporâneos, mas também à direção futura que a música tomaria. 

Estátua de Buddy Holly em Lubbock 

Em 5 de setembro de 1980, em Lubbock, foi inaugurada uma estátua de Buddy Holly em bronze, construída pelo escultor americano Grant Speed, de Utah. A estátua tem 2 metros e 60 centímetros de altura e pesa pouco mais de 1 tonelada. 

b.4. Discografia 

Buddy Holly lançou apenas três álbuns durante sua vida. Entretanto, suas gravações foram tão prolíficas em quantidade, que a Coral Records foi capaz de lançar novos álbuns e singles do cantor pelos próximos 10 anos após sua morte. A qualidade técnica destas gravações que Buddy deixou compreende, em sua maioria, gravações de estúdio, sendo algumas de qualidade e outras simplesmente gravações caseiras. 

1957 The "Chirping" Crickets 
1958 Buddy Holly 
1958 That'll Be the Day 
2004 Chirping Crickets: 4 Bonus Tracks 
2004 Buddy Holly: 3 Bonus Tracks 


Buddy Holly & The Crickets - That'll Be The Day on The Ed Sullivan Show 



Buddy Holly - Peggy Sue Live 



Buddy Holly & The Crickets - Oh Boy 



Don McLean - Americn Pie



The Rolling Stones - Not Fade Away (TV 1964) 



Buddy Holly plane crash footage and photos sept 7th 1936- feb 3rd 1959 



The Day The Music Was Visited 



c) Bo Diddley 


Bo Diddley, nascido Ellas Otha Bates (McComb, Mississippi, 30 de dezembro de 1928 - Archer, Flórida, 2 de junho de 2008), foi um influente cantor, compositor e guitarrista de blues norte-americano. Foi considerado o 27º melhor guitarrista de todos os tempos pela revista norte-americana Rolling Stone. 

c.1. Biografia 

Batizado Ellas Otha Bates, mudaria seu nome mais tarde para Ellas McDaniel devido à sua mãe adotiva, Gussie McDaniel. Usou o nome artístico Bo Diddley, provavelmente um jargão dos negros do sul dos Estados Unidos que significa "nada por enquanto". Outra fonte diz que este era seu apelido quando de sua carreira como boxeador. 
Diddley ganhou a primeira guitarra de sua irmã ainda na juventude (na mesma época, frequentava aulas de violino). Sua principal influência para se tornar um artista de blues veio de John Lee Hooker. 
Ele é mais conhecido pela "batida Bo Diddley", uma batida “meio rumba” feita usando-se a clave. Esta batida seria usada por vários outros artistas, incluindo Johnny Otis e sua "Willie and the Hand Jive" e Buddy Holly em "Not Fade Away", assim como canções mais obscuras como "In Love Again", de Gene Vincent e "Callin' All Cows" dos Blues Rockers. 
O ritmo é tão importante na música de Bo Diddley que a harmonia é frequentemente reduzida a uma inclusão mínima. Suas canções (por exemplo, "Hey Bo Diddley" e "Who Do You Love?"), na maioria, não apresentam mudanças de acorde; isto é, elas não foram compostas com claves musicais, e o músico tem de cantar e tocar no mesmo acorde durante todo o tempo. 
Vários artistas gravariam suas versões das canções de Diddley através dos anos. Os Animals gravaram "The Story of Bo Diddley", os Yardbirds "I'm a Man" e tanto os Woolies quanto George Thorogood alcançaram sucesso com "Who Do You Love", também a favorita dos The Doors. 


Bo Diddley usa uma variedade de outros estilos, entretanto, do back beat ao pop, frequentemente com o uso das maracas de Jerome Green. Ele foi também um influente guitarrista, com vários efeitos especiais e outras inovações no tom e no ataque. Ele também toca violino e violoncelo; este último é o destaque de sua triste instrumental "The Clock Strikes Twelve". 
Embora Diddley tenha alcançado sucesso de público, ele raramente direcionava suas composições para o público adolescente. A exceção mais notável é provavelmente o álbum Bo Diddley's a Surfer, que apresentava a canção "Surfer's Love Call". Apesar de nunca ter subido numa prancha, Bo exerceu uma influência definitiva nos guitarristas de surf rock. 
Em complemento às várias músicas lançadas por ele, Diddley escreveu o pioneiro sucesso pop "Love is Strange" para a dupla Mickey Baker e Sylvia Vanderpool (sob um pseudônimo, para aumentar seus royalties). 

c.2. Doença e morte 

Em 17 de maio de 2007, foi anunciada a internação de Didley no Creighton University Medical Center em Omaha, Nebraska, depois de um derrame durante uma apresentação em Council Bluffs, Iowa, em 13 de maio. Ele já apresentava um histórico de hipertensão e diabetes, e exames indicaram que o derrame afetou o lado esquerdo de seu cérebro, comprometendo a fala e compreensão. 


Em agosto de 2007, Diddley sofreu um incidente cardíaco enquanto se submetia a um check-up médico e foi internado em um hospital da Flórida. 
Diddley veio a falecer em 2 de junho de 2008, aos 79 anos, em sua casa na Flórida, vítima de insuficiência cardíaca. Foi sepultado no Rosemary Hill Cemetery, Bronson, Flórida no Estados Unidos. 

c.3. Discografia 

Bo Diddley (1958) 
Go Bo Diddley (1959) 
Have Guitar Will Travel (1960) 
Bo Diddley in the Spotlight (1960) 
Bo Diddley Is a Gunslinger (1960) 
Bo Diddley Is a Lover (1961) 
Bo Diddley's a Twister (1962) 
Bo Diddley (1962) 
Bo Diddley & Company (1962) 
Surfin' with Bo Diddley (1963) 
Bo Diddley's Beach Party (1963) 
Bo Diddley's 16 All-Time Greatest Hits (1964) 
Two Great Guitars (com Chuck Berry) (1964) 
Hey Good Lookin' (1965) 
500% More Man (1965) 
The Originator (1966) 
Super Blues (com Muddy Waters & Little Walter) (1967) 
Super Super Blues Band (com Muddy Waters & Howlin' Wolf) (1967) 
The Black Gladiator (1970) 
Another Dimension (1971) 
Where It All Began (1972) 
Got My Own Bag of Tricks (1972) 
The London Bo Diddley Sessions (1973) 
Big Bad Bo (1974) 
20th Anniversary of Rock & Roll (1976) 
I'm a Man (1977) 
Ain't It Good To Be Free (1983) 
Bo Diddley & Co - Live (1985) 
Hey… Bo Diddley in Concert (1986) 
Breakin' Through the BS (1989) 
Living Legend (1989) 
Rare & Well Done (1991) 
Live at the Ritz (com Ronnie Wood) (1992) 
This Should Not Be (1993) 
Promises (1994) 
A Man Amongst Men (1996) 
Moochas Gracias (com Anna Moo) (2002) 


Bo Diddley 1965 



Bo Diddley Road Runner Live 



Chuck Berry & Bo Diddley Together Live 



Bo Diddley - A Celebration of Blues and Soul 



Ron Wood & Bo Diddley - Crackin' Up - 11/20/1987 - Ritz Official 



George Thorogood - Who Do You Love? - 7/5/1984 



The Doors - Who Do You Love 



d) Jerry Lee Lewis 


Jerry Lee Lewis (Ferriday, 29 de setembro de 1935) é um cantor, compositor e pianista norte-americano de rock and roll, considerado um dos pioneiros do gênero. Foi induzido ao Rock and Roll Hall of Fame em 1986. Em 2004, a revista Rolling Stone colocou-o em vigésimo quarto lugar no seu ranking dos cem melhores artistas de todos os tempos. 

d.1. História 

Nascido em Ferriday, Luisiana, Jerry Lee Lewis tinha muito talento natural para o piano desde cedo. Apesar da pobreza, seus pais conseguiram um empréstimo para comprar um piano hipotecando a própria casa, e com um ano Jerry já desenvolvera seu próprio estilo de tocar. Assim como Elvis Presley, ele cresceu cantando música gospel nas igrejas pentecostais sulistas. Em 1950, ele entrou para o Southwestern Bible Institute em Texas, mas foi expulso por má-conduta (como por exemplo tocar versões rock and roll dos cânticos da igreja). 
Deixando a música religiosa para trás, ele tornou-se parte do recém-surgido movimento roll and rock, lançando sua primeira gravação em 1954.Lewis desenvolveu um som misto de rhythm and blues, boogie-woogie, gospel e country. Dois anos depois, no estúdio da Sun Records em Memphis, Tennessee, o produtor e engenheiro-de-som Jack Clement gravou com Lewis pelo selo enquanto seu dono, Sam Phillips, viajava para a Flórida. Como consequência, Lewis juntou-se a Elvis Presley, Roy Orbison, Carl Perkins e Johnny Cash na lista de astros que começaram sua carreira no Sun Studios na mesma época. 
A primeira gravação de Lewis nos estúdios da Sun foi de sua distinta versão da balada country “Crazy Arms”. Em 1957, seu piano e o puro som rock de “Whole Lotta Shakin’ Goin’ On” renderam-no fama internacional. Logo viria “Great Balls Of Fire”, seu maior sucesso. Vendo e ouvindo Jerry Lee Lewis tocar, Elvis disse que, se conseguisse tocar piano daquele jeito, não cantava nunca mais. 

Jerry Lee Lewis e sua famosa performance 

A turbulenta vida pessoal de Lewis era mantida em segredo do público até que, durante uma turnê britânica em 1958, a imprensa descobriu que a esposa do astro (então com 23 anos) era Myra Gale Brown, sua prima de segundo grau, de apenas 13 anos. A situação provocou um escândalo público e a turnê foi cancelada depois de apenas três shows. 
O escândalo seguiu Lewis para a casa na América e, como resultado, ele quase foi banido do cenário musical. Seu único sucesso durante a época foi uma versão de “What’d I Say”, de Ray Charles lançada em 1961. Sua popularidade ia se reerguendo aos poucos na Europa, especialmente no Reino Unido e na Alemanha. Um álbum ao vivo desta época, ‘’Live At The Star Club, Hamburg” (1964), gravado com o The Nashville Teens, é considerado como um dos melhores discos ao vivo de rock de todos os tempos. Entretanto, a fama se afastava dele cada vez mais nos Estados Unidos. Depois de mais de uma década tocando rock and roll, em 1968 Lewis começou a focar sua carreira na música country, obtendo sucesso considerável. Embora continuasse a tocar e viajar em turnê, ele nunca mais conseguiria alcançar o nível de sucesso que tinha antes do escândalo de 1958 (apesar do sucesso internacional do compacto “Chantilly Lace” (em 1973). 

Jerry Lee Lewis e Myra Gales 

Marcado por problemas com álcool e drogas depois de se separar de Myra em 1970, as tragédias continuariam quando seu filho Jerry Lee Lewis Jr., de 19 anos, morreu em um acidente automobilístico em 1973. No começo dos anos sessenta ele já havia perdido seu primeiro filho, Steve Allen Lewis, que se afogou em uma piscina. O próprio comportamento irresponsável de Lewis no final dos anos 70 o levou a ser internado depois de quase morrer de úlcera. Depois disso, sua quarta esposa morreu afogada em uma piscina, sob circunstâncias suspeitas. Pouco mais de um ano depois, sua quinta esposa seria encontrada morta de overdose de metadona. Também viciado em drogas, Jerry Lee Lewis decidiu se recuperar na Betty Ford Clinic. 
Enquanto celebrava seu quadragésimo-primeiro aniversário em 1976, Lewis baleou acidentalmente seu baixista Butch Owens na barriga. Pensando que a arma estava descarregada, ele a apontou para o colega de brincadeira e apertou o gatilho. Owens milagrosamente sobreviveu. Poucas semanas depois, em 23 de novembro, Lewis foi preso novamente por um incidente com armas, desta vez na mansão de Elvis Presley em Graceland. Lewis fora convidado por Presley, mas os seguranças não sabiam da visita. Quando questionado por eles o que fazia na frente do portão, Lewis mostrou uma arma e disse brincando que estava ali para matar Elvis. 
Apesar de seus problemas pessoais, seu talento musical nunca foi questionado. Apelidado The Killer (O Matador) por sua voz poderosa e sua técnica ao piano, ele foi descrito por seu colega Roy Orbison como o melhor artista cru da história da música rock. Em 1986 Jerry Lee Lewis foi incluído na primeira leva de artistas a serem homenageados no Hall da Fama do Rock and Roll. 
No mesmo ano ele voltou ao Sun Studios em Memphis para reunir-se com Orbison, Cash e Perkins e gravar o álbum Class of '55. Mas aquela não era a primeira vez que ele se juntava a Cash e Perkins no Sun Studios. Em 4 de dezembro de 1956 Elvis Presley apareceu para visitar Phillips. Na época Perkins estava no estúdio gravando algumas canções, com Lewis o cobrindo no piano. Os três então começaram uma jam sessiom, e Phillips deixou a fita gravando. Mais tarde ele telefonou para Cash e o trouxe para juntar-se aos outros. Essas gravações, a maioria de canções gospel, sobreviveriam e seriam lançadas anos depois em um CD sob o título de Million Dollar Quartet. Entre as faixas também estavam “Brow Eyed Handsome Man”, de Chuck Berry, “Don’t Forgive Me”, de Pat Boone e Elvis fazendo uma imitação de Jackie Wilson, que participava então do grupo Billy Ward and the Dominoes, cantando “Don’t Be Cruel”. 

Disco de Jerry Lee Lewis 

Em 1989 um longa-metragem baseado no começo da carreira de Lewis, intitulado Great Balls of Fire!, trouxe Jerry de volta aos holofotes. O filme foi baseado em um livro escrito por sua ex-esposa Myra, e no papel principal estava Dennis Quaid, com participações de Winona Ryder e Alec Baldwin. 
Em 1993 Lewis esteve no Brasil, onde se apresentou no programa de Jô Soares. Neste episódio, Jerry tocou uma canção no piano pertencente ao pianista do conjunto do programa. Ao final da música, Jerry em um movimento ousado de seus dedos "lascou" uma das teclas do piano, e logo atirou para cima, sob o olhar atônito do proprietário, que ficou visivelmente chateado com a situação. Neste passo, Jô Soares que percebeu o ocorrido, brincou com o seu pianista dizendo que ele não era para ficar bravo com o ocorrido, tendo em vista que quem teria "arruinado" o seu piano foi o legendário "The Killer". 


Lewis nunca deixou de fazer turnês, e os fãs que o viram se apresentar dizem que ele ainda consegue fazer um show único, sempre imprevisível, empolgante e pessoal. Depois de anos sem gravar nada, Lewis lançou um novo álbum em 2006 chamado "Last Man Standing" (último homem em pé). O álbum teve um grande sucesso de público e de crítica, sendo considerado por muitos como um dos melhores álbuns da carreira de Lewis. Em fevereiro de 2005, ele ganhou um “Prêmio Pelo Conjunto da Obra” da Record Academy, que também organiza o Grammy. Na premiação foi anunciado que seu novo álbum seria gravado com uma formação que inclui Eric Clapton, B. B. King, Bruce Springsteen, Mick Jagger e Keith Richards. 
Em setembro de 2009, Jerry Lee Lewis fez uma turnê no Brasil. 

d.2. Discografia 

Jerry Lee Lewis (1958) 
Jerry Lee's Greatest (1962) 
Live at the Star Club, Hamburg (1964) 
The Return of Rock (1965) 
Country Songs for City Folks/All Country (1965) 
Memphis Beat (1966) 
Soul My Way (1967) 
Another Place, Another Time (1968) 
She Still Comes Around (1969) 
Sings the Country Music Hall of Fame Hits, Vol. 1 (1969) 
Sings the Country Music Hall of Fame Hits, Vol. 2 (1969) 
The Golden Cream of the Country (1969) 
She Even Woke Me Up to Say Goodbye (1970) 
A Taste of Country (1970) 
There Must Be More to Love Than This (1971) 
Touching Home (1971) 
Would You Take Another Chance on Me? (1971) 
The Killer Rocks On (1972) 
Who's Gonna Play This Old Piano? (1972) 
The Session...Recorded in London with Great Artists (1973) 
Sometimes a Memory Ain't Enough (1973) 
Southern Roots: Back Home to Memphis (1973) 
I-40 Country (1974) 
Boogie Woogie Country Man (1975) 
Odd Man In (1975) 
Country Class (1976) 
Country Memories (1977) 
Jerry Lee Keeps Rockin' (1978) 
Jerry Lee Lewis (1979) 
When Two Worlds Collide (1980) 
Killer Country (1980) 
I Am What I Am (1984) 
Class of '55 (1986) 
Young Blood (1995) 
Last Man Standing (2006) 
Last Man Standing Live (2007) 
Mean Old Man (2010) 
Rock and Roll Time (2014) 


Jerry Lee Lewis - Whole Lotta Shakin' Goin' On (Steve Allen Show - 1957) 



Jerry Lee Lewis The Killer 



Jerry Lee Lewis - Breathless 



Tom Jones Jerry Lee Lewis - Rock n Roll Medley 1969 



Jerry Lee Lewis - Great Balls Of Fire (Jerry Lee Lewis And Friends) 



Jerry Lee Lewis - Tocando piano com os pés 



Jerry Lee Lewis - Whole Lotta Shakin' Goin' On (Berry Hill 2017) 



Jerry Lee Lewis On Stage at Viva Las Vegas 2018 



Jerry Lee Lewis - Whole Lot Of Shakin' Going On Live In São Paulo 1993




Até o próximo encontro!